Parada cardiorrespiratória em pediatria

A parada cardiorrespiratória (PCR) na faixa etária pediátrica constitui uma das situações mais críticas de atuação dentro da emergência. Raramente é um evento súbito, como observado no adulto. A hipóxia e a acidose, se não reconhecidas e tratadas precocemente, levam à deterioração da função cardiorrespiratória culminando com a PCR.

O seu atendimento deve ser multidisciplinar, sincronizado, entre todos os profissionais de saúde envolvidos, a fim de otimizar as compressões torácicas e garantir o retorno da circulação espontânea, minimizar danos neurológicos e melhorar o prognóstico da criança.

Vamos assistir, na aula a seguir,  as diferenças no impacto da sobrevida e no prognóstico neurológico entre a PCR que ocorre no ambiente extra hospitalar em relação à de ocorrência intra hospitalar, como realizar manobras de reanimação de qualidade, otimizando, principalmente, as compressões torácicas e, garantir a estabilização pós reanimação.

Referências:

 Early administration of epinephrine (adrenaline) in patients with cardiac arrest with initial shockable rhythm in hospital:
propensity score matched analysis

Duration of Cardiopulmonary Resuscitation and Illness Category Impact Survival and Neurologic Outcomes for
In-hospital Pediatric Cardiac Arrests

Pediatric Advanced Life Support
2015 American Heart Association Guidelines Update for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency
Cardiovascular Care (Reprint)

Pediatric Sudden Cardiac Arrest